terça-feira, 1 de junho de 2010

Aprumar

A muralha cansou de ser muralha. Logo ela, que parecia tão satisfatoriamente fixada. Virou monumento histórico. Tão lindo e emocionante seus muros atingídos pelos socos do tempo, que no seu caso passou acelerado. Uns tijolos caídos, a cor desbotada, e toda a poesia de uma história de batalhas escondia um silencio até então contemplativo. Ela nunca deixou de ser muralha e sequer almejou destino diferente. Com uma sutil resignação de se ser o que é, acostumou-se.
Mas dia desses percebeu o horizonte e foi despertada:

- O que tem atrás do mar?

5 comentários:

Roberto Borati disse...

a muralha é forte, frente a tempestades e o tempo que tenta derrubar ela continua para assim ver o seu mar.


gostei, gostei.

beijos.

Roberto Borati disse...

e a foto é belíssima!

Roberto Borati disse...

ps. também postei no gambiarra.

gostei dos seus comentários viu.

Carol . disse...

lindo amiga, voce tem um belo futuro de escritora pela frente :) haha

Juliana Galante disse...

Estou encantada!
Posso te comparar á Clarice Lispector?Minha musa,ela.
Talves possa parecer exagero, assim de cara, mas estou encantada com tudo o que li, tudo parece tao meu.
Estou tentanto absorver cada gota...sem mais, Parabéns!
Juliana Galante