segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Descalços

Sob a sola dos pés estão meus desejos efêmeros,
alígeros.
Tudo aquilo que na mesma avidez fez o suicida,
faz o sopro lépido de proeza e vida.
E não ficando amo a liberdade,
vento sem norte. (e sem rima)

- Não se ofenda, liberdade. Mas seria possível encontrar um par de pés descalços? 

5 comentários:

Roberto Borati disse...

sim, é possível.

e que poema, dá para sentir o vento livre da liberdade.

gostei, muito bom novamente ler você por aqui!

Jacqueline Litwak disse...

Sempre escrevendo tão bem. Estou aqui novamente a admirar, desta vez a rima, o poema :))

Luan Ribeiro disse...

Sob os pés passam muitos cascalhos.
Se um pé só segurar todo o peso do corpo, a estrutura não aguenta.

Fred Pagnuzzi disse...

Cortou os pés com a faca de pão
Em nome dos sorrisos
Dos olhares afetivos afetuosos
Entregou um para você
E o outro para ele
Dois garotos
Gigantes no coração e na genialidade

Um pé pra Pernambuco
Outro pra "mulher barbada".

Ana Agarriberri disse...

Obrigada pela visita e comentário lá no Molhe-se. Sempre bem-vinda. Tb gostei muito daqui.