terça-feira, 6 de outubro de 2009

Não, não é fácil.


Acordar cedo e não te ligar pra você não perder a hora da escola e não ouvir tua voz que quase não sai assim que você acorda está acabando comigo.
Chegar na escola sabendo que na minha frente vai sentar qualquer pessoa, não você. Você não vai virar pra trás pra ouvir minhas abobrinhas no meio da aula, nem eu vou poder falar mal das pessoas que me irritam com a sinceridade que, se não fosse você quem estivesse ouvindo, me sentiria uma maluca.


E eu to aqui, colecionando idéias fúteis, idiotas e bobonas a serem postas pra fora, porque você não ta aqui pra me ouvir, e coisas assim eu só falo pra você. Achar desenhinhos nas nuvens, chorar a toa em filmes romantiquinhos, rir a tarde inteira no telefone da minha vizinha que anda de calçolão pela casa, não tem mais teus olhos compreensivos.

Também não vai ser fácil fugir dos palhaços que dão em cima da gente por ai, porque na companhia de mais quem além de ti vou ser tão cara-de-pau? : "Sorry man, i don´t speak portugues, sorry". Tudo bem que nossa cara super-nativa nunca enganou neguinho nenhum, mas já nos safou de tantas.

E mesmo quando eu quebrei tua cama desesperada e te fiz ficar acordada de madrugada até achar aquela barata, porque eu tenho super-pavor a baratas, mesmo você me odiando durante aqueles minutos você me dava “boa noite amiga” e ficava tudo bem. E eu odiava o fato de você ser sempre a primeira a dormir, e você odiava o de eu ficar tagarelando de madrugada. Não é fácil não ver você rindo da minha gargalhada e eu rindo do teu mal humor matinal. Também não é fácil passar a semana sem bolar nosso super-fim-de-semana que sempre ultrapassava o ultimo em nível de melhor fim-de-semana da minha vida.

Eu nunca te falei isso, mas eu adorava quando a gente brigava e as nossas brigas não duravam 1 hora. Por culpa toda e completamente tua, porque tu tens a droga do dom de sempre sorrir pra mim pedindo desculpas, e eu a orgulhosa sempre me auto-renunciava. Lembra daquele dia em que a gente voltou pra casa juntas sem falar uma palavra porque tínhamos brigado e você quando virou na sua rua, lá naquele sinal, mandou um coração pra mim? E eu ri do meu orgulho insignificante e senti tanto, mas tanto amor por ti que voltei pra casa desejando que você fosse eterna.

Não é fácil ter que rechear meu tempo com coisas legais pra fazer o dia ter graça. Porque quando você estava aqui não era assim, só precisávamos uma da outra e o mundo inteiro se fazia azul.

E com tantas pessoas acostumadas com a fugacidade das amizades superficiais, e com tantos sorrisos obrigatórios recheados de falsos “eu te amo”, eu hoje cheia de opções para novas amizades acho tudo muito hipócrita e sem graça.


Hoje pecando pelo excesso de carência quero mesmo é te ligar e dizer que sinto tua falta.

1 comentários:

melissa disse...

VOCE É TUDO PRA MIM CARA . NEM TENHO PALAVRAS , EU TE AMO <3